Segunda-feira, 7 de Setembro de 2009

Peço desculpa pela minha falta de originalidade, mas é inevitável falar novamente dos debates entre os líderes partidários transmitidos pela televisão. No que diz respeito às regras, estamos conversados: são más e só servem para termos opiniões frívolas sobre os participantes, como, por exemplo, esteve agressivo, calmo, seguro, melhor, pior, e assim por diante. Em termos políticos, mais valia fazerem grupos de apuramento como no futebol. Por um lado o PCP, o Bloco e o PS. Por outro, o PSD e o CDS. No fim, claro, o partido do governo e o maior partido da oposição. O que faria com que os resultados dos tais grupos de apuramento já estivessem decididos. Mas mesmo assim era preciso que os debates durassem pelo menos o mesmo tempo que o “Prós e Contras”, o que tornaria o debate ainda mais insuportável e o aborrecimento pairaria no ar. Uma coisa é certa: os debates, assim como estão, não funcionam. Uma prova do que estou a dizer é as opiniões dos comentadores sérios que deixaram de serem sérios por falta de material. Por exemplo, sobre o debate entre Jerónimo de Sousa e Francisco Louça, os títulos dos jornais foram: “Unidos contra o PS”. No dia a seguir ao frente-a-frente entre Manuela Ferreira Leite e Francisco Louçã, disseram que ambos líderes só concordaram sobre a liberdade de expressão e condenaram o fim do Jornal Nacional na TVI. Duh! Pergunto-me o que dirão sobre o debate entre Jerónimo de Sousa e Paulo Portas de hoje. Sou capaz de arriscar e dizer que anunciaram que não concordaram em nada. Sei que é ousado da minha parte. Contudo, até me atreveria a adiantar, que caso certo tema, aliás, espinhoso, seja levado à baila, um caso que envolve uma empresa espanhola e um canal de televisão português e o seu departamento de informação, vamos ter uma surpresa. Talvez pela primeira vez na história de Portugal dos últimos trinta e cinco anos, o CDS e o PCP vão estar de acordo. Posso enganar-me, mas isto é bem capaz de acontecer. Fora isso, tudo bem.



Publicada por Carlos Quevedo às 23:36
Comentar

Arquivo do blogue
Subscrever feeds
blogs SAPO