Sexta-feira, 23 de Outubro de 2009

Chegamos ao momento por que eu mais esperava e temia. O orgulho do Governo e a prova da sua fé nas novas tecnologias têm de ser actualizados. A nova versão do computador portátil “Magalhães”, o MG2, com Windows 7, já está no seu centro comercial do bairro. Estará disponível em duas versões: uma que custará 329 euros, e uma edição especial, com uma capacidade de armazenamento de 160 gigabytes, que pode ser adquirida por 399 euros. Cerca de 80% do salário mínimo nacional. Não tenho nenhuma informação se é possível actualizar gratuitamente os velhos Magalhães, mas duvido. Ante este acontecimento tecnológico podemos prever duas alternativas. A primeira é que o Ministério da Educação substitua generosamente todos os já obsoletos computadores entregues aos alunos; uma decisão que estaria de acordo com empenhamento político até agora praticado. Segundo as minhas contas, penso que o Orçamento de Estado não tinha previsto este pormenor tecnológico. Quem poderia prever que a Microsoft inventasse um novo sistema operativo? Muito provavelmente vai ser permitido que os alunos continuem os seus estudos com a primeira versão, com certeza compatível com a segunda, e logo se verá. A outra alternativa é o Ministério continuar a distribuir o primeiro Magalhães e a segunda versão só seja utilizada nos estabelecimentos de ensino privado. Isto pode não estar na ideia socialista de ensino, mas Roma e Pavia não foram feitas numa legislatura. Aquilo que me preocupa mais é a luta de classe nas aulas. Temo que os alunos de pais ricos, e por ricos entendo aqueles que ganhem pelo menos três salários mínimos e não paguem a renda e ainda recebam uma mesada dos pais, exibam sinais de riqueza. Quero dizer, que apareçam nas aulas a exibir os seus super-Magalhães e achincalhar os colegas do Magalhães do ano passado. Todos sabemos que as crianças são cruéis. Esta situação de disparidade financeira pode produzir monstros ressentidos sociais. Daqui a dez anos, o Bloco de Esquerda vai ter mais dez deputados garantidos. E tudo por culpa da Microsoft e o seu Windows 7. Fora isso, tudo bem.



Publicada por Carlos Quevedo às 23:49
Comentar

Arquivo do blogue
Subscrever feeds
blogs SAPO