Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2010

Na semana passada foram divulgadas pelo FBI umas fotografias que mostravam como é que o Bin Laden podia ter envelhecido. Suponho que em geral ninguém se surpreendeu com as imagens. Que exista um programa de computador que imagine o envelhecimento de uma pessoa já nos parece o menor dos avanços tecnológicos. Ainda por cima estamos a falar do FBI e não de um posto fronteiriço perdido no deserto de Atacama, onde tão boa figura fizeram os pilotos portugueses no rally. Ora, eis que poucos dias depois, o FBI retira as fotos dos seus sites. O porta-voz do FBI, Ken Hoffman, justificou a decisão com «precaução extrema» até ser certo que as imagens não incluem traços de outras pessoas. O que aconteceu foi que a foto utilizada para o envelhecimento tecnológico de Osama Bin Laden era de um espanhol. Mais precisamente de um deputado de um partido de esquerda chamado Gaspar Llamazares, um homem que não esconde uma cara morena com certos rasgos de similitude com o sanguinário terrorista. Também se veio a saber que o responsável pelas fotografias utilizou uma foto tirada do Google para apurar os traços da cara. O resultado final sugeria que o espanhol e o saudita eram irmãos gémeos. Obviamente isto provocou um escândalo em Espanha e deu azo a mais uma teoria da perseguição. O deputado afirmou que não era coincidência que o FBI tivesse utilizado uma cara de um homem de esquerda para fazer o retrato robot. Mesmo que assim fosse, este seria o menor dos problemas. A incompetência do FBI é que é assustadoramente familiar. Será que não há polícias competentes em nenhuma parte do mundo? Por outro lado, compreendemos melhor a dificuldade de Bush em dar uma para caixa. A única coisa boa disto tudo é saber que o motor de busca que diariamente utilizamos, o Google, é também utilizado pelos serviços de segurança norte-americanos. Isso dá-nos uma certa pinta. Fora isso, tudo bem.



Publicada por Carlos Quevedo às 23:47
Comentar

Arquivo do blogue
Subscrever feeds
blogs SAPO