Quinta-feira, 28 de Janeiro de 2010

Bill Gates, fundador da Microsoft, o homem mais rico do mundo, filantropo, e mais uma vez, o homem mais rico do mundo, a propósito do anúncio da intenção da Google de sair da China, como protesto contra a censura imposta pelas autoridades, perguntou “Qual é a intenção da Google?”, e recordou que todos os países têm algumas leis polémicas. Vamos esquecer as contas pendentes da Google e da Microsoft e ver as coisas com a distância que tenho por, infelizmente, não ser nem fundador nem accionista de nenhuma das duas empresas. Também nunca tive simpatia nem atracção pelo longínquo Oriente. Nunca tive curiosidade para conhecer a China. Embora goste, sem exagero, da sua gastronomia e de um ou outro filme desde que não se ponham aos saltos em câmara lenta nem voem. Também admito que tenho alguma simpatia paternalista, como qualquer ocidental civilizado, pelo Tibete e também acho, como quase todos, que o Dalai Lama é um João Paulo II em versão exótica e milenar. Confesso que acho piada à reencarnação, mas só espero que não seja verdade. Por todas estas razões, julgo que estou minimamente habilitado para ter um juízo imparcial sobre o problema. A primeira observação é porque é que a Google tem pessoal na China. Teoricamente, podia ser tudo dirigido desde qualquer sítio. Segundo, a malta da Google julgava que a China podia ser uma espécie de paraíso da liberdade virtual. Terceiro, eles julgavam mesmo que iam para lá, muito cool, numa boa e o governo chinês ia render-se ante tanta alegria e juventude? Por outro lado, se acreditavam que iam conseguir mudar a politica interna do governo chinês, que não é propriamente liberal, e não conseguiram, o que esperam para ir embora? O mais engraçado é os putos googlianos irreverentes andarem agora a pedir ajuda ao governo americano para que dêem uma descompostura aos chineses pouco democráticos. É o que eu digo ao meu sobrinho: não é por estares mais tempo à frente do computador que vais crescer. Fora isso, tudo bem.



Publicada por Carlos Quevedo às 23:52
Comentar

Arquivo do blogue
Subscrever feeds
blogs SAPO