Segunda-feira, 1 de Fevereiro de 2010

Manuel Alegre declarou ontem no Porto que não será “candidato à Presidência da República em nome de nenhum partido” mas “por Portugal e pela necessidade de dar uma nova esperança à democracia portuguesa”. Dou as minhas humildes boas-vindas ao candidato Alegre nesta nova saga eleitoral. Ao contrário de muitos colegas meus discordo de que o anúncio da sua candidatura tenha sido prematuro. Para mim, Manuel Alegre candidatou-se à presidência há cinco anos e nunca mais deixou de se candidatar. Mais que um anúncio foi uma renovação dos votos eleitorais. Feito este esclarecimento, queria partilhar as minhas eternas dúvidas sobre a caracterização do que é ser candidato à Presidência da República em Portugal. Tem sido repetido à exaustão por todos os ex-presidentes e ex-candidatos que nunca foram candidatos de nenhum partido. A ideia sempre foi, por um lado mostrar a independência partidária, e, por outro, fazer um apelo àqueles que acreditam que na verdade qualquer candidato é dependente de algum partido. E que não é por isso que não devem votar nele. Outro aspecto significativo desta declaração independentista inútil dos candidatos, é, quer queiram quer não, uma história que os relaciona ou com os paridos da direita ou com os partidos da esquerda ou com qualquer outro partido, caso os houvesse. Tem algo de esquizofrénico esta coisa de os nossos presidentes insistirem em clamar a sua equidistância política, visto que são eleitos por um sector ideológica e uniformemente compreensível. Sobretudo quando constitucionalmente assim estão obrigados. Então, porquê esta insistência ano pós ano, eleição após eleição presidencial? Juro que votarei no candidato que apareça um dia e diga: “Fui e serei sempre anarco-sindicalista, mas se o povo português me escolher como presidente, ninguém vai dar por isso. Não porque não queira, mas porque não posso, e porque as funções que assumirei assim o obrigam”. Isto é que era bonito e original. Fora isso, tudo bem.



Publicada por Carlos Quevedo às 23:57
Comentar

Arquivo do blogue
Subscrever feeds
blogs SAPO