Segunda-feira, 15 de Março de 2010

Só o PSD tem sentido do espectáculo no panorama político-partidário do nosso país. O Bloco e o PCP são demasiado previsíveis. O CDS tem por agora um cabeça-de-cartaz que ainda não deixa os novos brilhar. Do PS nem vale a pena falar. Quando o líder é primeiro-ministro é impossível diferenciar quando fala um ou o outro. E ainda menos qual está a ouvir. Num congresso do PSD, com a sua longa tradição de desrespeito pelo líder, quer seja primeiro-ministro ou candidato humilhado nas eleições, tudo pode acontecer. Isto é o encanto e a tragédia deste partido. Só Cavaco Silva sobreviveu ao triunfo, à derrota e aos seus correligionários. Julgo que o segredo é não gostar de viajar, não se interessar pelo futebol e não falar muito. Estes dias foram pródigos em peixes, daqueles que morrem pela boca. Com a maravilhosa qualidade social-democrata em que no partido ninguém acaba exactamente por morrer pela boca. Quando Passos Coelho tentou fazer as pazes com Jardim, e na sua rígida retórica se atrapalhou não podendo voltar atrás, temos um bom exemplo. Quando uma figura folclórica e inteligente como Fernando Costa, presidente da Câmara das Caldas da Rainha, afirma, entre outras verdades, "se não fosse mentiroso, não era presidente da Câmara", percebemos a necessidade de controlar a sinceridade pelo bem do normal funcionamento das instituições. No PS há um autocontrolo provocado pelo controlo que o estatuto de líder tem sobre o resto da malta socialista. Mas no PSD é impossível. Até o agora amado Sá Carneiro teve uma oposição feroz. O polémico estatuto de proibir de atacar a direcção do partido nos sessenta dias anteriores às eleições internas é uma má ideia absolutamente compreensível. Compreendo que Santana tenha apresentado este estatuto. O que não compreendo é que tenha sido aprovado. Mas o bom deste partido é os estatutos serem ainda mais efémeros que os seus líderes. Antes que as andorinhas nos deixem esta rolha terá acabado. Foi muito engraçado enquanto durou. Fora isso, tudo bem.



Publicada por Carlos Quevedo às 23:09
Comentar

Arquivo do blogue
Subscrever feeds
blogs SAPO