Terça-feira, 5 de Outubro de 2010

Segundo gente que sabe fazer melhor as contas que eu, o Governo está a deixar uma folga orçamental nas contas de 2010. Parece que a dita folga é de 1,4 mil milhões de euros. A diferença resulta da incorporação do fundo de pensões da PT na Caixa Geral de Aposentações, menos os submarinos, mais o aumento do IVA, menos os juros que devemos pagar da dívida, mais o dinheirinho que se poupa com a descida dos salários dos funcionários públicos, menos a crise financeira internacional e fico por aqui. O que importa é que sobram 1,4 mil milhões e as pessoas perguntam porquê? A teoria dos bota-abaixo, como diria até há pouco tempo o Primeiro-ministro, afirmam que a execução até ao final do ano pode correr pior que o previsto. Então, pelo sim, pelo não, com este dinheiro já se pode fazer alguma coisa. Outros sugerem, maldosamente, que não nos disseram toda a verdade e que o buraco é maior que o anunciado. Isto significaria que, de uma maneira caladinha, como quem não quer a coisa, resolvem o problema com estes milhões extras. Não está mal visto, a não ser que a parte do “caladinho” não funciona. Toda a gente sabe. Há outros, muito mais optimistas, que explicam que estes milhões a mais fazem parte de uma surpresa que o Governo quer dar ao bom povo português. A ideia seria que, passado um tempo, aumentariam os salários da função pública outra vez ou desciam o IVA novamente ou sei lá que outras maluquices podem chegar a fazerem estes brincalhões para nos animarem. Esta versão festiva do que fazer com o dinheiro que sobra da Caixa Geral de Aposentações é simpática, talvez imoral, mas de facto é alegre, Manuel. Mas não posso acreditar nela por ser um bocadinho eleitoralista. Depois deste ano insuportável, por que carga de água é que alguém vai querer recandidatar-se? Não faz sentido. Julgo que este barulho pelos 1,4 mil milhões a mais é pura inveja. A prova é todos sabermos que é sempre bom ter um dinheirinho de parte para tempos de crise. Fora isso, tudo bem.



Publicada por Carlos Quevedo às 23:05
Comentar

Arquivo do blogue
Subscrever feeds
blogs SAPO