Quarta-feira, 6 de Outubro de 2010

De todas a intervenções feitas ontem na praça do Município, a de que mais gostei foi a do Presidente da comissão para as comemorações do Centenário da República, Artur Santos Silva. Explico a razão da minha escolha. Não ouvi o discurso de António Costa. Já me basta ouvi-lo todas as quintas-feiras na Quadratura do Círculo. Duvido que tenha dito alguma coisa que não disse já. A intervenção do Presidente da República foi absolutamente coerente com tudo o que tem dito e não dito durante as últimas semanas. Mais república menos republica, o fundo é o mesmo. O discurso de Sócrates foi previsível. Tenho muita pena mas é humanamente impossível falar todos os dias para os portugueses e conseguir dizer algo de novo. É normal e ele não tem culpa. Se pudéssemos contar as palavras das declarações e dos discursos feitos no último século pelos altos representantes da República, tenho a certeza de que o nosso actual primeiro-ministro ganhava de longe. Suponho que se Churchill tivesse falado durante a guerra o que tem falado Sócrates, não seria a lenda que é. Respeitemos a sua energia e a sua loquacidade, mesmo que já não tenha o mistério de outrora. Santos da Silva foi uma surpresa. Em primeiro lugar, porque nunca o tinha ouvido fazer um discurso. Nunca fomos mais longe de um bom dia ou um “passou bem?” as poucas vezes que nos cruzámos. Mas também gostei que, sendo banqueiro, tenha falado de mudança de vida e reformas. Não conheço nenhum banqueiro que queira mudar de vida e quando acontece dá para o torto, como o Paulo Teixeira Pinto que quis ser poeta e constitucionalista e deu no que deu. Sobre pedir reformas, assim sem mais explicações, pode significar tantas coisas e nenhuma delas me parece benéfica para a banca. Pelo menos dito assim numa comemoração republicana e equivocadamente igualitarista. Claro que não devemos pôr de parte a possibilidade de termos presenciado o início da carreira de um novo político. Era só o que nos faltava. Fora isso, tudo bem.



Publicada por Carlos Quevedo às 23:43
Comentar

Arquivo do blogue
Subscrever feeds
blogs SAPO