Terça-feira, 29 de Abril de 2008

Às vezes os problemas mais complicados resolvem-se com soluções simples. Por exemplo, Alberto João Jardim afirmou que solucionava todos os problemas do PSD se todos os outros candidatos retirassem as suas candidaturas. Outro exemplo, Sócrates afirma que se o PCP e o Bloco de Esquerda não tomassem o Partido Socialista como o inimigo principal, tudo podia correr melhor. Não foi com estas palavras mas julgo não estar a tergiversar o sentido. Eis também uma solução simples para um problema complicado. O desemprego é, sem lugar a dúvidas, um problema complexo além de dramático. Mas também deve ter uma solução simples, se a minha teoria estiver certa. Para já, devemos pôr de parte a criação de novos empregos. Esta alternativa, embora evidente, é de realização complexa. Devíamos para isso expandir as opções de produção, injectar capital e todas essas coisas que não estão ao alcance das nossas possibilidades. Esqueçam. A simplicidade caracteriza-se por estar mesmo à nossa frente e não nos apercebermos dela porque somos parvos. Quando li num semanário um artigo sobre um deputado socialista, fez-se uma luz que quase ceguei. Só vos digo duas palavras: Vitalino Canas. O tal deputado socialista que foi acusado pelo PCP por estar a infringir a lei de incompatibilidades profissionais com o seu estatuto de deputado. Vitalino Canas é porta-voz do PS. É advogado, Professor Universitário, deputado na Assembleia Municipal de Sintra, Administrador não-executivo da Companhia de seguros Sagres, Consultor Estratégico da Transdev, Consultor das Fundações Oriente, Aga Khan e Stanley Ho, do governo de Cabo Verde e da Missão Swaminarayan Hindu. Eu até aceito que o PCP esteja errado e que o Vitalino esteja certo. Mas ninguém me tira da cabeça que se deixasse metade dos cargos que ocupa já ajudava qualquer coisinha a descer a taxa de desemprego. Fora isso, tudo bem.



Publicada por Carlos Quevedo às 23:36
Comentar

Arquivo do blogue
Subscrever feeds
blogs SAPO