Sexta-feira, 6 de Junho de 2008

Não sei se ainda se lembram. Com estas histórias dos combustíveis e dos espectaculares directos da Selecção Nacional, podem estar esquecidos de Fátima Felgueiras. A autarca continua em julgamento. O processo estar a ter um desenvolvimento camiliano. Não há facas nem alguidares, mas há sexo. Parabéns a todos! Já era tempo de termos um pouco de acção. Resumo os factos, deixando os pormenores à vossa imaginação. O juiz-conselheiro Almeida Lopes afirmou que a investigação começou a partir de uma denúncia anónima motivada por razões passionais. Depois acrescentou que Fátima se recusou a consumar propostas sexuais de um empresário e de um ex-assessor. Não esclarece se simultaneamente ou primeiro um e depois o outro. A história ainda se complica e mete ciúmes da mulher de alguém, mas isso está sempre incluído no pacote. O importante é que finalmente temos política e cama na mesma frase. Não quero armar-me em esperto, mas os decotes da autarca na última campanha em Felgueiras, fez-me pensar a que tipo de eleitor Fátima se dirigia. Em política, os decotes são muito bem vistos pelo povo mas muito mal analisados pelos comentadores. Não sei porquê mas são ignorados e nunca fomentados. Está errado. É sabido que os crimes e as grandes decisões envolvem sempre sexo ou dinheiro, ou com um pouco de sorte, ambos. As pessoas parecem mais preocupadas com o carcanhol, quando a percepção dos problemas deve ser mais ampla. Normalmente só falam da sexualidade dos políticos quando são ilícitos ou contra-natura. Os nossos políticos são homens e mulheres saudáveis. É verdade que poucos são giros e poucas são boas, mas também têm direito a dar umas voltas. Mesmo que não haja dinheiro no meio. Fora isso, tudo bem.



Publicada por Carlos Quevedo às 23:46
Comentar

Arquivo do blogue
Subscrever feeds
blogs SAPO