Quarta-feira, 2 de Julho de 2008

O famoso predador Marcelo Rebelo de Sousa escolheu uma nova vítima: o Ministro da Agricultura, a quem chamou «o maior incompetente do mundo» e que encaixa numa figura do «direito que é a nulidade». Lembro que há uns anitos a vítima foi Santana Lopes e todos sabemos como isso acabou. Claro que, desta vez, a opinião do Professor é partilhada por muito mais gente, se tal coisa fosse possível. O modus operandi de Marcelo é o mesmo. Do alto duma tribuna televisiva sentencia a pena de morte virtual ao condenado escolhido. O condenado, sem direito a recurso, exige um impossível contraditório. Assim foi com Santana e assim é com Jaime Silva. Inútil. Quando um Marcelo acosse a sua presa no meio da floresta urbana, o bípede escolhido tem os dias contados, tal é o domínio que o predador exerce no seu habitat natural. Depois Marcelo volta à toca e espera pacientemente o resultado inevitável da sua caçada. Mas até o National Geographic por vezes se engana. Neste caso, tenho a certeza de que o vituperado Ministro da Agricultura sobreviverá às intenções do predador da RTP, aos domingos, depois do Telejornal. Jaime – penso que já posso tratá-lo pelo primeiro nome – não se demitirá nem será demitido. Ele pertence à colmeia socrática. A sua abelha-mestra não permite o mínimo insulto, a mais ligeira crítica nem a menor censura. Pelo contrário, basta que uma abelha operária seja atacada ou um mililitro de mel seja posto em causa para que se defenda com quantos aguilhões haja à mão. Profetizo que Jaime Silva ficará no Governo pelo menos até Janeiro. Caso esteja enganado, ofereço uma viagem às Galápagos para que filmem a vida sexual das tartarugas. Fora isso, tudo bem.



Publicada por Carlos Quevedo às 23:52
Comentar

Arquivo do blogue
Subscrever feeds
blogs SAPO