Quarta-feira, 3 de Dezembro de 2008

Desde que Manuela Ferreira Leite começou a falar, nunca mais se calou. No último fim-de-semana não foi meiguinha com o governo: "Uma verdadeira enciclopédia de tudo o que não se deve fazer em política", chamou a José Sócrates. E para que ninguém ficasse com dúvidas, insistiu com: "Os grandes mestres da má política são este primeiro-ministro e os seus ministros". Nada mal, para quem era conhecida pela sua calma e contenção. O problema foi que nessa mesma oportunidade, e segundo o Correio da Manhã, acusou Sócrates e o seu Governo de “incentivar o sentimento de inveja entre os portugueses”. Aqui é que a coisa se torna mais confusa. Quem são esses portugueses que os portugueses podem invejar? É difícil. Há pouco tempo num inquérito, o português mais invejável era Ronaldo. Daí a que todos os portugueses tenham inveja dele não é totalmente certo. Os banqueiros que recebem uma ajuda do Estado? Também não está claro. Há banqueiros para todos os gostos, demitidos, na prisão, feios, infelizes e, claro, também há um ou outro rico. Para mim é um erro introduzir na política julgamentos provenientes de outros mundos, mais precisamente, o religioso. Um governo que incentive só um qualquer pecado capital – e são sete – não pode ser assim tão mau. A inveja não é um pecado muito bonito, mas pelo menos indica-nos que há alguma coisa a invejar. Como a gula e a luxúria nos indicam que há alguma coisa a comer. Um governo com sucesso na sua governação estaria, mesmo que não fosse esse o seu objectivo, a incentivar a cobiça e a promover a preguiça. E, para sermos rigorosos, é sabido que está nas nossas mãos e na nossa vontade não nos deixarmos cair em tentação. Seja qual for o incentivo estatal que nos induza a pecar. Em defesa da Manuela podemos dizer que o seu forte não é nem a ironia nem a metáfora. Julgo que esta alegação é pertinente. Mas então como deve falar a Manuela? Perguntam vocês, desconsolados. Por telegrama, meus caros. Por telegrama. Fora isso, tudo bem



Publicada por Carlos Quevedo às 23:27
Comentar

Arquivo do blogue
Subscrever feeds
blogs SAPO