Segunda-feira, 15 de Dezembro de 2008

O Fórum das Esquerdas foi realizado na Aula magna da Universidade de Lisboa. O tipo de declarações lembrou esses congressos de igrejas evangélicas chamadas carismáticas em que todos rezam pela salvação dos crentes. Digo isto pela simples razão de que nada em concreto saiu dali a não ser a previsível aclamação de Manuel Alegre como certificado de autenticação de grande pastor da nova igreja. É sem dúvida louvável a vitalidade militante e a fé de Alegre num futuro socialista para Portugal. Não que eu goste da ideia, mas não posso ignorar a boa intenção do poeta. Até porque a ideia de socialismo é mais empolgante que a sua prática. No entanto a pessoa mais contente e entusiasmada com este Fórum foi um homem de direita. Marcelo Rebelo de Sousa, no seu comentário semanal na RTP1, parecia um menino a quem se oferece o último modelo duma Playstation com todos os jogos e acessórios. Para ele, as contas são fáceis de fazer: Manuel mais Bloco e dissidentes socialistas, menos Partido Comunista menos Partido Socialista igual a maioria relativa do PSD. De repente, para Marcelo, 2009 deixava de ser um pesadelo social-democrata para ser um Natal quando o homem quiser. O que me leva a pensar que Marcelo acredita no Pai Natal. Obviamente que as parecenças físicas e até ideológicas de Manuel Alegre com o gorducho vestido de vermelho podem levar a este engano, e que a semelhança entre os bloquistas e os elfos do Pólo Norte que fazem os brinquedos ajudam à confusão. Mas dar falsas ilusões a Manuela Ferreira Leite pode ser catastrófico. Não seria uma boa ideia que o PSD em campanha eleitoral começasse a elogiar Manuel Alegre, a alentar o Bloco de Esquerda e a promover os socialistas críticos de Sócrates. Não só seria um desastre para o PSD como ainda eram capazes de fazer crer a Manuel Alegre que é mesmo o líder, o Messias que a esquerda espera. Ho, ho, ho. Fora isso, tudo bem.



Publicada por Carlos Quevedo às 23:14
Comentar

Arquivo do blogue
Subscrever feeds
blogs SAPO