Quinta-feira, 29 de Janeiro de 2009

Luís Filipe Menezes afirmou que acredita na seriedade do primeiro-ministro e que não duvida do seu comportamento ético. Não posso estar mais de acordo com o ex-líder do PSD. Até porque neste tipo de casos normalmente o acusado não é culpado, a não ser, no pior dos casos, de excesso de confiança. Os amigos da onça, ou os tios da onça, foram e serão o problema de muita boa gente que anda por ali a governar. O problema deste voto de confiança de Menezes é o facto de vir precisamente de um ex-líder do PSD. E como qualquer ex-líder desse partido, é capaz de tudo só para chatear o actual líder. Estar na oposição dentro do PSD, quando se está habituado a mandar um deputado do partido a trazer-lhe um café, enlouquece qualquer um. Não digo que Luís Filipe esteja doido. Só que esse comportamento faz parte da experiência traumática de ter sido número um nacional e passar a ser número trezentos e cinco. Por outro lado, não é de bom-tom andar a fazer jantares de desagravo, pôr as mãos no fogo pelo arguido ou afirmar coisas como “se ele é culpado de tal coisa, então também eu sou culpado”, enquanto decorre uma investigação criminal. Não esqueçamos como um amigo da onça de Carlos Cruz, também chamado Carlos Cruz, enterrou o nosso Carlos Cruz. Mas não é o caso neste momento. Se eu fosse José Sócrates, e Luís Filipe Menezes me viesse dar o seu apoio, diria como é hábito nos debates no Parlamento: “não recebo lições de ninguém sobre este assunto”. O que adaptado para este momento seria: “não aceito provas de confiança nem de fé na minha seriedade de ninguém. E muito menos dum senhor ex-líder dum partido da oposição”. Tendo em conta a recente experiência familiar do nosso Primeiro-ministro, ele não se devia deitar nos braços de um qualquer ex-líder partidário que lhe ofereça colo e confiança. Eu cá só aceitava mimos de pessoas mais estáveis, como o Presidente da República, o líder do PCP, o director da Gulbenkian, a minha Mãe, o Cardeal Patriarca; enfim, pessoas sérias. Fora isso, tudo bem.



Publicada por Carlos Quevedo às 23:49
Comentar

Comentários:
De kruzeskanhoto a 2 de Fevereiro de 2009 às 00:01
Serei só eu que acho que o nosso primeiro fazia um belo par com a Fátinha de Felgueiras?


De Ana (a mesma de Fridman/Freeman) a 4 de Fevereiro de 2009 às 16:41
O que ganha o Senhor Comentador com as suas próprias falinhas mansas?


De Ana (a mesma de Fridman/Freeman) a 4 de Fevereiro de 2009 às 16:46
Carlos Cruz também é pessoa estável, na sua nobre opinião?


Comentar post

Arquivo do blogue
Subscrever feeds
blogs SAPO