Terça-feira, 17 de Março de 2009

A rainha Rania – eu sei que soa mal mas é mesmo assim que se diz – e o seu marido, o rei Abdullah II da Jordânia, chegaram ontem a Portugal. Por mais respeito que me suscite a política internacional, julgo que esta visita é uma oportunidade para falar de outra coisa. Ao ver Raina e Abdullah, não posso deixar de pensar em Carla e Nicolas. Nicolas e Abdullah têm em comum duas mulheres que se destacam no plano internacional. Eles também, claro. Ambos ocupam o poder em nações poderosas mas curiosamente nenhum dos dois está à altura delas. Obviamente não tenho nada contra. Até são um exemplo a seguir, que curiosamente até sigo. Muita gente má e mesquinha pode ver alguma coisa esquisita neste desnível. Mas isso é só ciúmes. Poder-se-á insinuar que os homens com poder seduzem mulheres doutro nível? Depende do que se entenda por poder. Ele pode tomar muitas formas. O nosso saudoso Presidente Jorge Sampaio também tinha uma mulher de outro nível, mas é sabido que um presidente português não tem lá muito poder. Pode vetar algumas vezes, dissolver a Assembleia, mas isso não é nada glamouroso quando comparado a um rei árabe ou um presidente francês. Também o milionário Aristóteles Onassis teve a sua Jacqueline, ela igualmente de um nível superior a ele. O grego tinha dinheiro mas não era assim tão poderoso como se pensa. Sim, tinha barcos, aviões, casa e até uma ilha, mas isso é nada comparado com o armamento francês ou um rei das arábias. Todas as pessoas acreditam que o poder é para as mulheres o mais sedutor. Outras acham que é o dinheiro. Os darwinistas, é de bom-tom agora citar, afirmam que é a capacidade de transmitir bons genes que levam às mulheres a escolher os seus maridos. Eu quero acreditar que estão todos enganados. As mulheres não podem ser assim de calculistas. Tenho provas irrefutáveis: em todas as revistas femininas e em todos os inquéritos, as mulheres afirmam que o que exigem dos homens é sentido de humor e que as façam rir. É por isso que se a rainha Raina e a presidenta Carla estão com o Abdullah e com o Sarkozy é porque são uns galhofeiros de primeira. Eis o segredo. Assim ficam consolados os homens sem poder apaixonados por mulheres inalcançáveis. Ou só muito altas. Fora isso, tudo bem.



Publicada por Carlos Quevedo às 23:27
Comentar

Comentários:
De Blondewithaphd a 18 de Março de 2009 às 17:07
Fabulástico!!!!!! (o problema de nível ficaria resolvido se vocês viessem em embalagens standardizadas de 1,80. Não sei, mas os saltos rasos não me convencem...)


Comentar post

Arquivo do blogue
Subscrever feeds
blogs SAPO