Sexta-feira, 8 de Maio de 2009

Apesar de tudo, julgo que devemos estar gratos por viver no nosso país. Basta ver as notícias fora. Há coisas que não nos vão acontecer, pelo menos no nosso tempo de vida. Em Angola, por exemplo, quem viva à beira do rio Keve, tem de ter cuidado com os crocodilos. Já mataram seis criancinhas. É um horror mas com isso não nos temos de preocupar. Não há cá disso. O Tejo, o Sado, o Douro, nunca deixariam um crocodilo com vida. Já temos muita sorte se ainda houver uns peixinhos. É verdade que por cá ainda há um ou outro pedófilo, mas estou certo de que com as novas tecnologias, não deve faltar muito para que se invente em Coimbra um detector de pedófilos. A coisa vai ao sítio. Também não temos bombistas suicidas como em Bagdade. Somos um país tolerante. Em compensação, a nossa taxa de acidentes de viação é de facto alta, mas, pelo amor de Deus, não se compara. Também não temos os problemas de Espanha. Temos menos desempregados. É normal porque não temos tantos habitantes, mas lá que temos menos desemprego, temos. Os emigrantes do norte de África também não desembarcam aqui. Eu sei que porque não querem vir, mas que não vêm, lá isso não vem. A gripe A não começou cá na terra. Foi longe, no México. E se tivesse acontecido cá, nenhum governo nosso teria tido a audácia de nos obrigar a ficar em casa e proibir qualquer reunião pública como fez o governo mexicano. Um pessimista pode dizer que podemos ter um terramoto. Mas confio na nossa prevenção civil. E mesmo que não aconteça, nunca poderá ser pior que o de 1755. Onde se viu tal coisa? Só na Turquia, na China e sei lá onde mais. Só sei que é longe. Apesar de tudo temos sorte. Podemos estar pobres, não termos muitas perspectivas, estarmos com a saúde assim, assim. Mas, sejamos sinceros, ninguém nos chateia. Isto é uma dádiva. Fora isso, tudo bem.



Publicada por Carlos Quevedo às 23:44
Comentar

Comentários:
De Gertrudes A. da Cunha a 13 de Maio de 2009 às 02:45
Dádiva? Mas quem se chateia com os habitantes de um miserável país de 3º Mundo como Portugal? Sobretudo quando a maioria da população vive em coma, sem perspectivas algumas de futuro para além da servidão ou da fome...
As razões para o estado das coisas são várias...encontrando-se uma na base de todas as outras: "A terra é pequena e a gente que nela vive também não é grande"(Almeida Garrett).


De ana cristina leonardo a 15 de Maio de 2009 às 14:34
Também não temos os problemas de Espanha. Temos menos desempregados. É normal porque não temos tantos habitantes, mas lá que temos menos desemprego, temos

é o que eu tento explicar mas ninguém me ouve


Comentar post

Arquivo do blogue
Subscrever feeds
blogs SAPO