Sexta-feira, 29 de Maio de 2009

Vital Moreira admitiu a possibilidade de criar um imposto europeu sobre transacções financeiras. Não tenho dúvidas de que o cabeça de lista socialista às eleições europeias está a ser mal aconselhado. Se há duas palavras que não se podem dizer na mesma frase em Portugal é “criar” logo seguida de “imposto”. Caso tenha sido uma ideia que Vital pariu sozinho, admiro a sinceridade mas condeno as suas tendências suicidas. Não é assim que se apanham moscas portuguesas. Provavelmente o que Vital queria dizer era que se toda a Europa pagasse um imposto comum podíamos conseguir mais fundos de Bruxelas. Nesse caso, subestima os nossos irmãos europeus mais ricos. Não vejo um dinamarquês a pagar um novo imposto, muito alegre e feliz porque com esse dinheirinho que tanto lhe custou a ganhar vai pagar o arranjo de uma estrada em Portugal. Muito menos imagino um português a pagar o mesmo imposto com um olhar muito malandro porque tem a certeza que esse dinheiro volta a Portugal multiplicado por outros vinte seis tansos dos outros países da União. Claro está que tudo isto é uma especulação minha. E especulo porque Vital Moreira não deu mais pormenores. Na sua infinita humildade, afirmou que daria mais detalhes só quando fosse eleito deputado europeu. Quer dizer que se queremos saber mais sobre um imposto que ele quer instaurar na Europa e que nós pagaremos, temos de votar nele. Como estratégia eleitoralista é original. Imagino as conversas de café nas cidades e aldeias portuguesas: “Olha, vota no Vital que morro de curiosidade por saber como vai ser o novo imposto”, diz um cidadão. E responde o outro: “Estás a brincar? Eu também estou em pulgas para saber pormenores do imposto do Vital. Já convenci toda a minha família a votar nele! Aliás já pus de parte umas massas para ser o primeiro a pagar na primeira transacção que faça. Grande Vital!”. É o que sempre me pareceu que faltava na política portuguesa: intelectuais idealistas. Agora é que isto vai andar. Fora isso, tudo bem.



Publicada por Carlos Quevedo às 23:47
Comentar

Arquivo do blogue
Subscrever feeds
blogs SAPO